Archives par mot-clé : questionnaire

Questionnaire de Proust | traduction en portugais | Mafalda Borges Suares | 2020

1. A minha virtude preferida: a necessidade de ser amado e, mais precisamente, a necessidade de ser acariciado e mimado, bem mais do que a necessidade de ser admirado.

2. O traço principal do meu carácter: um certo charme feminino.

3. A qualidade que prefiro nos homens: terem virtudes de homem e franqueza na camaradagem.

4. A qualidade que prefiro nas mulheres: serem meigas para comigo, no caso de serem suficientemente requintadas para dar a devida importância à ternura.

5. O meu principal defeito: não saber, não poder “querer”.

6. A minha ocupação preferida: amar.

7. O meu ideal de felicidade: receio que este não seja muito elevado, não me atrevo a dizê-lo, tenho medo de o destruir ao falar dele.

8. O que poderia ter sido o meu maior desgosto: não ter conhecido nem a minha mãe nem a minha avó.

9. O que eu gostaria de ser: eu próprio, mas como as pessoas que admiro gostariam que eu fosse.

10. O país onde eu desejaria viver: aquele em que as coisas desejadas se realizassem como por magia e em que os carinhos fossem sempre partilhados.

11. A cor que prefiro: a beleza não está nas cores, mas na sua harmonia.

12. A flor de que eu gosto: a sua, e depois dessa todas as outras.

13. O pássaro que prefiro: a andorinha.

14. Os meus autores preferidos em prosa: neste momento, Anatole France e Pierre Loti.

15. Os meus poetas preferidos: Baudelaire e Alfred de Vigny.

16. Os meus heróis na ficção: Hamlet.

17. As minhas heroínas favoritas na ficção: Bérénice.

18. Os meus compositores preferidos: Beethoven, Wagner, Schumann.

19. Os meus pintores favoritos: Leonardo da Vinci, Rembrandt.

20. Os meus heróis na vida real: o senhor Darlu, o senhor Boutroux.

21. As minhas heroínas na História: Cleópatra.

22. Os meus nomes favoritos: só tenho um de cada vez.

23. O que eu mais detesto: aquilo que há de errado em mim.

24. As personalidades históricas que eu mais desprezo: não tenho instrução que chegue para responder.

25. O feito militar que eu mais admiro: o meu voluntariado!

26. O dom da natureza que eu gostaria de ter: a vontade, e as seduções.

27. Como eu gostaria de morrer: sendo uma pessoa melhor, e amada.

28. O meu actual estado de espírito: entediado, por ter tido de pensar em mim para responder a todas estas questões.

29. Os erros que mais inspiram a minha indulgência: aqueles que compreendo.

30. A minha divisa: tenho medo que ela me possa dar azar.

Continuer la lecture de Questionnaire de Proust | traduction en portugais | Mafalda Borges Suares | 2020

1. A minha virtude preferida: a necessidade de ser amado e, mais precisamente, a necessidade de ser acariciado e mimado, bem mais do que a necessidade de ser admirado.

2. O traço principal do meu carácter: um certo charme feminino.

3. A qualidade que prefiro nos homens: terem virtudes de homem e franqueza na camaradagem.

4. A qualidade que prefiro nas mulheres: serem meigas para comigo, no caso de serem suficientemente requintadas para dar a devida importância à ternura.

5. O meu principal defeito: não saber, não poder “querer”.

6. A minha ocupação preferida: amar.

7. O meu ideal de felicidade: receio que este não seja muito elevado, não me atrevo a dizê-lo, tenho medo de o destruir ao falar dele.

8. O que poderia ter sido o meu maior desgosto: não ter conhecido nem a minha mãe nem a minha avó.

9. O que eu gostaria de ser: eu próprio, mas como as pessoas que admiro gostariam que eu fosse.

10. O país onde eu desejaria viver: aquele em que as coisas desejadas se realizassem como por magia e em que os carinhos fossem sempre partilhados.

11. A cor que prefiro: a beleza não está nas cores, mas na sua harmonia.

12. A flor de que eu gosto: a sua, e depois dessa todas as outras.

13. O pássaro que prefiro: a andorinha.

14. Os meus autores preferidos em prosa: neste momento, Anatole France e Pierre Loti.

15. Os meus poetas preferidos: Baudelaire e Alfred de Vigny.

16. Os meus heróis na ficção: Hamlet.

17. As minhas heroínas favoritas na ficção: Bérénice.

18. Os meus compositores preferidos: Beethoven, Wagner, Schumann.

19. Os meus pintores favoritos: Leonardo da Vinci, Rembrandt.

20. Os meus heróis na vida real: o senhor Darlu, o senhor Boutroux.

21. As minhas heroínas na História: Cleópatra.

22. Os meus nomes favoritos: só tenho um de cada vez.

23. O que eu mais detesto: aquilo que há de errado em mim.

24. As personalidades históricas que eu mais desprezo: não tenho instrução que chegue para responder.

25. O feito militar que eu mais admiro: o meu voluntariado!

26. O dom da natureza que eu gostaria de ter: a vontade, e as seduções.

27. Como eu gostaria de morrer: sendo uma pessoa melhor, e amada.

28. O meu actual estado de espírito: entediado, por ter tido de pensar em mim para responder a todas estas questões.

29. Os erros que mais inspiram a minha indulgência: aqueles que compreendo.

30. A minha divisa: tenho medo que ela me possa dar azar.

Continuer la lecture de Questionnaire de Proust | traduction en portugais | Mafalda Borges Suares | 2020

O Questionário de Proust (1886)

1. A minha virtude preferida: a necessidade de ser amado e, mais precisamente, a necessidade de ser acariciado e mimado, bem mais do que a necessidade de ser admirado.

2. O traço principal do meu carácter: um certo charme feminino.

3. A qualidade que prefiro nos homens: terem virtudes de homem e franqueza na camaradagem.

4. A qualidade que prefiro nas mulheres: serem meigas para comigo, no caso de serem suficientemente requintadas para dar a devida importância à ternura.

5. O meu principal defeito: não saber, não poder “querer”.

6. A minha ocupação preferida: amar.

7. O meu ideal de felicidade: receio que este não seja muito elevado, não me atrevo a dizê-lo, tenho medo de o destruir ao falar dele.

8. O que poderia ter sido o meu maior desgosto: não ter conhecido nem a minha mãe nem a minha avó.

9. O que eu gostaria de ser: eu próprio, mas como as pessoas que admiro gostariam que eu fosse.

10. O país onde eu desejaria viver: aquele em que as coisas desejadas se realizassem como por magia e em que os carinhos fossem sempre partilhados.

11. A cor que prefiro: a beleza não está nas cores, mas na sua harmonia.

12. A flor de que eu gosto: a sua, e depois dessa todas as outras.

13. O pássaro que prefiro: a andorinha.

14. Os meus autores preferidos em prosa: neste momento, Anatole France e Pierre Loti.

15. Os meus poetas preferidos: Baudelaire e Alfred de Vigny.

16. Os meus heróis na ficção: Hamlet.

17. As minhas heroínas favoritas na ficção: Bérénice.

18. Os meus compositores preferidos: Beethoven, Wagner, Schumann.

19. Os meus pintores favoritos: Leonardo da Vinci, Rembrandt.

20. Os meus heróis na vida real: o senhor Darlu, o senhor Boutroux.

21. As minhas heroínas na História: Cleópatra.

22. Os meus nomes favoritos: só tenho um de cada vez.

23. O que eu mais detesto: aquilo que há de errado em mim.

24. As personalidades históricas que eu mais desprezo: não tenho instrução que chegue para responder.

25. O feito militar que eu mais admiro: o meu voluntariado!

26. O dom da natureza que eu gostaria de ter: a vontade, e as seduções.

27. Como eu gostaria de morrer: sendo uma pessoa melhor, e amada.

28. O meu actual estado de espírito: entediado, por ter tido de pensar em mim para responder a todas estas questões.

29. Os erros que mais inspiram a minha indulgência: aqueles que compreendo.

30. A minha divisa: tenho medo que ela me possa dar azar.

Continuer la lecture de Questionnaire de Proust | traduction en portugais | Mafalda Borges Suares | 2020

Evelyne Bloch-Dano | Une jeunesse de Proust | Stock | 2017

Une jeunesse de Marcel Proust

Evelyne Bloch-Dano, Une jeunesse de Proust, Paris, Stock, coll. « La Bleue »,  2017
RENCONTRES 2017 AVEC EVELYNE BLOCH-DANO :
– 6 août : Salon du livre de Granville
– 8 septembre : Librairie du centre Mauriac, Malagar
– 12 octobre : Librairie La Galerne, Le Havre
– 1er décembre : Auberge de la Treille, Saint-Martin-le-Beau
*************************************************************

Biographe, essayiste, Evelyne Bloch-Dano a écrit « Madame Zola« , « Madame Proust« , « Le Dernier amour de George Sand » et plus récemment « Jardins de papier : de Rousseau à Modiano« . Pour ce livre, « Une jeunesse de Proust« , elle a une nouvelle fois mené l’enquête. Qui n’a jamais entendu parler du questionnaire de Proust ?

Les réponses de l’écrivain ont traversé le temps et fait le tour du monde. On a oublié qu’elles provenaient d’un album intitulé Confessions, appartenant à Antoinette Faure, la fille du futur président de la République. En participant à ce jeu de société à la mode, Marcel Proust ne se doutait pas qu’il livrerait des indices sur l’adolescent qu’il était. Ses réponses ont été commentées. Mais jamais contextualisées ou comparées. Jamais datées avec exactitude. À travers les goûts, les rêves des filles et des garçons qu’elle a réussi à identifier comme les amis de l’album d’Antoinette, Evelyne Bloch-Dano dégage le portrait d’une génération. Celle de Marcel Proust.